quarta-feira, 9 de novembro de 2011

E depois como é que posso ser normal?

Liga-me a minha tia a perguntar se lhe posso emprestar as muletas, porque torceu o pé. Eu, na minha santa ignorância, pergunto o que é que aconteceu.

Fui atropelada, diz ela.
Eu atiro 20 perguntas seguidas ao ar : Atropelada? Como? Por quem? Magoaste? Foste ao hospital?


- Estou bem. Fui atropelada pelo cabrão do meu carro. Estacionei em casa, esqueci-me do travão de mão, o carro começou a deslizar e eu, em pânico, tentei segura-lo. Como é óbvio, não tenho força para segurar o carro, caí, torci o pé e o carro bateu na parede. Quando te conseguires parar de rir, trazes-me as muletas?

20 comentários:

Patrícia disse...

Hahaha que mau... :D
Oh coitada no pânico da altura não pensou em nada :)

Mim disse...

A tua tia que nos desculpe, mas isto é mesmo de rir às gargalhadas ahahahah.
Uma vez vi um a tentar fazer isso, mas não tinha parede e o carro foi cair dentro de uma vala com três metros de fundo e ficou de cu para o ar. ahahahahah.

TERESA SANTOS disse...

Ainda bem que não és minha sobrinha!

Uf!!

A pobre num sufoco, e tu a rires que nem uma...

insensivel?!

(não, não te ia classificar de outra forma!)

Não há direito!!!

Susi disse...

Muahahah, essas são aquelas situações em que devia estar alguém a assistir com uma câmara e mandar para os apanhados! :p

Gasper disse...

Patrícia, não pensou mesmo o que vale é que não se magoou muito.

Mim, AHAHAH ao menos o dela só deu um toque na parede, nem está muito mal tratado.

Teresa, não era para rir? Até te digo mais chorei de rir, mas fui levar as muletas :)

Susi, dava um rico vídeo!

Ju disse...

Ai oh pá, os teus posts são demais. Isto não é um assunto para brincar porque podia ter sido grave, mas fartei-me de rir. As melhoras à tia *

Gasper disse...

Ju, opá eu no início fiquei preocupada, mas quando me apercebi do ridículo até chorei de rir. Fui lá casa hoje, ela já conta a história partida a rir.

Carlinha disse...

Esqueceu-se do travão de mão...ai, Jesus! O que vale é que foi só um pé torcido. Qualquer dia sou eu, que às vezes nem sei como é que cheguei a casa, pois parece que vim em modo piloto automático... :P

Carlinha disse...

Esqueceu-se do travão de mão...ai, Jesus! O que vale é que foi só um pé torcido. Qualquer dia sou eu, que às vezes nem sei como é que cheguei a casa, pois parece que vim em modo piloto automático... :P

Ritinha disse...

AHAHAHAHAHAHAHAH... Coitada da tua tia, mas que a história é de morrer a rir, é!

xoxo Ritinha

Dom disse...

Nem percebo porque é que os carros trazem travão de mão... não é muito mais simples largá-los que as paredes logo os arrumam. eheheh

Gasper disse...

Carlinha, tu vê lá! E se por algum azar (esperemos que não) te esqueças do travão de mão, NÃO tentes segurar o carro, sim?

Ritinha, é deveras hilariante. Ela está bem, apenas de orgulho ferido ahaha

Dom, AHAHA é muito mais simples. Temos a mania de complicar :P

faa disse...

Que má! ahah
Mas tem piada claro :)

PINTA ROXA disse...

é mesmo daqueles "acidentes" de que não estamos á espera, rápidas melhoras á tia e se boazinha nada de rir dos azares dos outros.
bom resto de semana

Gasper disse...

faa, só pode dar para rir ;)

Pinta Roxa, obrigada. Temos que nos rir dos azares (dos meus e dos outros) quando não são graves claro.

Paula disse...

Tadinha da tua tia!
Deixa lá de te rir e vai dar as muletas à senhora, vá!

Gasper disse...

Paula, ahaha eu fui levar as muletas, mas sempre a rir ;)

Catarina Reis disse...

Não posso... que desastrada AH!AH! Coitada. beijos

patrícia disse...

Ahahahah, gosto mesmo é da última frase!
Coitada xD

Gasper disse...

Catarina, ainda consegue ser mais desastrada que eu, e olha que não é fácil ahaha

patrícia, quando ela disse a última frase eu já estava a gargalhada a bocado :)