segunda-feira, 10 de novembro de 2014

O drama da vida do meu colega

O M., o meu querido M., anda por aí a lamentar-se da sua vida difícil. Há dias.

O novo drama da vida dele: Não faz o que quer quando está de férias, nem se quer aos fins-de-semana diz ele indignado. Nunca faz o que quer.

Eu, sempre preocupada com o bem estar alheio, pergunto a razão que o leva a viver em tais condições precárias. Pergunto, quase parecendo verdadeiramente preocupada, mas então faz o que aos fins-de-semana, cuida de alguém? Imaginando uma mãe doente ou coisa assim.

E o que é que ele faz aos fins-de-semana? - Perguntam vocês em pulgas. O que é que ele faz, que o impede de fazer o que ele realmente quer. Que azar é esse que ele tem na vida que o faz lamentar dias seguidos?

Está com os filhos. Está com os filhos e não pode fazer o que quer, porque tem que fazer o que eles querem. Diz ele que eu não percebo, que não vou conseguir perceber, porque ainda não tenho filhos. Que é um inferno, que ele quer fazer o que lhe dá na real gana, não ter responsabilidade, comer à hora que quer e bem entende e não quando os filhos têm fome e se não quiser comer não come! Quer trocar os livros dos filhos por uma moto. Quer uma série de coisas extremamente importantes, mas não pode e eu,  eu nunca vou compreender o fardo que é.

Respondi-lhe que compreendia duas coisas muito bem:

1) Só porque podes procriar, não quer dizer que devas.
2) Há crises de meia-idade e penso que os sintomas começam por aí. Próximo passo? Trocar os calções de banho por umas tangas justas com padrão tigresa.

M. ficou ofendido comigo. E eu, quase que pareço genuinamente preocupada com essa situação.

O dia promete

Ainda são 9 da manhã e já adormeci na cadeira 3 vezes.
Ainda são 9 da manhã e já dei duas cabeçadas, uma a entrar no carro outra a sair.
Ainda dão 9 da manhã e já meti o meu pézinho de Cinderela numa poça de água.
Ainda são 9 da manhã e eu já quero tanto que esse dia acabe.

Foda-se ainda são 9 da manhã.

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Gasper também dá conselhos #8

Opá é que uma pessoa não tem a necessidade de vos ver o rego do cu.



Coisas que me apoquentam

1) O mau hálito do meu colega de trabalho. Já não tenho mais maneiras subtis de tentar resolver essa situação. Já ofereci pastilhas, rebuçados de mentol... Agora só mesmo se oferecer uma escova de dentes.

2) Existem 2 escovas de dentes, na minha casa, que segundo resultado de inquérito não pertencem a ninguém, mas estão lá no copinho das cenas dos dentes.

3) A  mãe do jorge nunca mais me ligou.


quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Nota para os senhores da rádio

Existem mais do que 10 músicas no mundo, eu juro!
Ninguém quer saber da Nutri balance.

Sempre ao V/dispor.

Descompensada

Sabes que estás descompensada quando vais o caminho todo com o rádio na mesma estação e só quando o gajo entra no carro e pergunta, com cara de gozo, se estás bem é que te apercebes que estás a ouvir a missa há praí 15 minutos.

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Gasper, que vês da tua janela?






Nada, mas nada parecido com as imagens apresentadas. Eu queria, minha gente, eu queria muitoooooo.

Quando eu mandar no mundo #2

- "Por favor", "Obrigada", "Desculpe" e "Com licença" farão parte do vocabulário de todas as pessoas;

- Alguns palavrões serão banalizados, porque toda a gente sabe que são usados para dar ênfase ao pensamento e não para ofender os coninhas;

- Aqueles telefonemas com publicidade e inquéritos e  mais o raioqueosparta serão proibidos, mandem email que o pessoal ignora mais rápido;

- O chocolate vai emagrecer e não engordar;

Em boa verdade, digo

O problema passa sempre for falta de comunicação.

Eu: Vou passar no Cesto Cheio (um mini-mercado local), queres alguma coisa?
Ele: Bom passeio!

Acho que estamos com problemas.

O amor não é #15

O amor não é aquilo que toca as pessoas lá no fundo.
O nome disso é exame de próstata.

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

O amor não é #14

O amor não é aquilo que faz coisas de que até Deus duvida.
O nome disso é Miley Cyrus

Nota Mental #1736196

Não falar de uma pessoa, enquanto se está a ligar para esta mesma pessoa. Parece que a pessoa, de quem se estava a falar, pode atender o telemóvel e ficar em silêncio a ouvir o que se está a dizer (sobre ela).

Há dias em que me sinto verdadeiramente inteligente. Hoje não é o dia.

sábado, 1 de novembro de 2014

Só a mim

Ontem, estava calmamente a trabalhar com o carro estacionado no parque da empresa. Vem um colega alertar-me para o facto de ter deixado a janela da frente do meu carro aberta.

Ora estava sol, mas dado que vivo nos Açores e estar sol não é sinonimo de não chover, fui fechar a janela do carro.

Chego ao parque de estacionamento, vejo o meu carro com a janela aberta, pego na chave e Click destranco o carro. Aproximo-me, abro a porta com a chave esticada para colocar na ignição...

Ouve-se um grito estridente vindo de dentro do meu carro...

Eu assusto-me. Eu grito que nem pita histérica quando vê o Justin Bieber. O coração a saltar-me pela boca. Como, como é que tem alguém dentro do meu carro?! COMO??!

A pessoa que está dentro do meu carro pára de emitir gritos histéricos. Agora grita palavras e alguns, ou muitos, palavrões.

Estou ainda a tremer. Continuo sem perceber o que está a passar no meu carro.

Ah, espera. Este NÃO é o meu carro. É o carro de alguém que resolveu dormir uma soneca tranquila, depois do almoço, dentro do seu carro.

Ah, já percebi.