sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Bom

Encontro-me cheia de dilemas. Daqui a 5 horas tenho de estar no aeroporto, não sei se durma se faça directa.

Ainda não sei que roupa enfiar dentro da mala porque está um frio que não se pode em Madrid, e eu sou uma pessoa sensível (apesar de meia disfarçada) que não tem roupa muito quente.

Perante estes dilemas resolvi pintar as unhas. E depois dei por mim sem poder fazer nada porque estou à espera que as unhacas sequem e portanto vim escrever-vos este post extremamente interessante, cheio de graça, muito bem escrito e que contribui imenso para a felicidade alheia.

Ahhh já vos disse que vou passar o ano a Madrid? Até 2013 minha gente!

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Tenham a bondade*

Se há coisa que me fascina é a conversa da merda que começa a ocorrer depois do Natal.

"Ah e tal, o pior dessas festas é a volta que dá aos meus intestinos"

"Ah e tal, não cago há 3 dias"

"Ah e tal, estou uma diarreia terrível"

Porque raio é que passa pela cabeça da minha família e amigos que estou minimamente interessada no transito intestinal deles? Mas que merda!

*Repost  de há um ano atrás (hoje igualmente válido)

E novidades?

Perguntam vocês em pulgas já que não têm novidades minhas faz 5 dias, e sei que estão cheios de saudades (e escusam de me dizer o contrário, porque cada um acredita naquilo que quer, sim?).

Então vamos às coisas extremamente importantes que se passaram:














Pois não há.

Quer dizer, vou passar o ano a Madrid se tiverem sugestões não se acanhem.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Auto-estima em máxima

Hoje, logo pela manhã:

Colega: Gasper, está diferente, cortou o cabelo?
Eu: Cortei sim.
Colega: Logo vi, está especialmente despenteada hoje.

Ninguém merece.

domingo, 16 de dezembro de 2012

O amor não é #9

O amor não é aquilo que toca as pessoas lá no fundo.
O nome disso é exame de próstata.

O amor não é #8

O amor não é aquilo que  te faz dizer coisas de que depois te arrependes.
O nome disso é vodka.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

E é isso

Informo que, de forma a evoluir intelectualmente decidi começar a comer sopa de letras e tentar cagar por ordem alfabética. Não quero ter uma merda menos evoluída que a dos outros.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

O amor não é #7


O amor não é aquilo que o homem faz na cama e que deixa a mulher louca.
O nome disso é esquecer a toalha molhada.

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Há coisas que me apoquentam

Posso não ser uma mulher por natureza apoquentada, mas há coisas que realmente me provocam uma consumição (como se diz na minha terra).

Não me apoquenta o facto de ter apanhado hoje um senhor a mijar na rua.
Não me apoquenta o facto do episódio do senhor que mijava na rua ter ocorrido às 8:30 da manhã.
Não me apoquenta o facto de eu entrar às 8:30 da manhã, e nessa hora estar a ver o homem a mijar em vez de estar a trabalhar.
Não me apoquenta o facto do senhor não mijar contra a parede, mas sim para o meio rua.
Não me apoquenta o facto de ter deixado o casaco cair no meio do parque de estacionamento, e só ter dado por isso à hora de almoço quando voltei para carro e lá estava ele no meio do chão.
Não me apoquenta o facto de ter dito adeus ao rapaz que apresenta o telejornal, quando na realidade só o conheço da televisão.

Agora apoquenta-me, mas apoquenta-me mesmo, o facto de ter chegado ao trabalho com pasta de dentes no cabelo. Apoquenta-me igualmente o facto de não ser a primeira vez que tal episódio acontece.

Apoquenta-me pronto.  

O amor não é #6

O amor não é aquilo que não te deixa ver as coisas como elas são.
O nome disso é miopia.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Amor não é #5

Cortesia do alucinado  EricDraven:

"Amor não é fogo que arde sem se ver. 
 Isso chama-se combustão de Metanol"
 
Eu diria:

Amor não é o que arde sem se ver.
Normalmente a isso chama-se uma DST.

Karma é

Ir a andar de carro e decidir não dar passagem ao velhote que tentava sair da garagem, por ter quase a certeza que o senhor andava a 40km/h e eu, como sempre, estava atrasada.

E

5 min. depois, dar passagem ao bonzão rapaz com bom aspecto que encontrei no cruzamento.


E

Verificar que aquele panisgas, para além de ir para a vizinhança do meu destino, andava literalmente a 30km/h.

Sim, eu sei, eu mereço.

O amor não é #4

O amor não é aquilo que te deixa sem fôlego.
O nome disso é asma.

O amor não é #3

O amor não é aquilo que dura para sempre.
O nome disso é Manoel de Oliveira.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

O amor não é #2


O amor não é aquilo que ilumina o caminho.
O nome disso é candeeiro.

O amor não é #1

Como estão fartos de saber, sou uma romântica incurável muito cutxi cutxi e porras assim, portanto não ousarei tentar definir o amor. No entanto, recebi uma lista que tenho de partilhar: o que é que o amor não é.


O amor não é aquilo que te dá forças para superar os obstáculos.
O nome disso é tracção às quatro rodas.

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

E uma pessoa

Começa a semana a apagar a lista telefónica, inteira, do telemóvel. Como? - perguntam vocês em pulgas. Eu tenho um dom, minha gente, eu tenho um dom.

Como se isso já não fosse sarna suficiente, mudei de banco e como tal na quinta-feita recebi o novo cartão e respectivo código. Como tenho a mania que sou esperta, destruí o papel com o código e guardei-o no telemóvel, como um número de telefone, de modo a ir alterá-lo ao multibanco.

Resumindo? Para além de não ter números também não multibanco.

Palmas para mim! Por quando se faz uma asneira, faz-se em grande, senão nem vale a pena.

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Mania das grandezas

É amarrotar 5 euros e atirar para o caixote do lixo enquanto se guarda um recibo completamente inútil na carteira.

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Esta cena da insularidade

Tem as suas coisas boas, maravilhosas até. Vivo rodeada de mar, tenho sempre "verde, tanto verde a indicar-me a esperança". Tenho 4 estações num dia, vejo mais arco-íris num mês do que as vezes que a dondoca que trabalha comigo vai ao ginásio por semana. Ao lanche acompanho o bolo levedo com laranjada, ou kima. Respiro o ar sempre fresco do meu mar.

Resolvo as minhas neuras e problemas existências aqui:


Os carros param nas passadeiras, as pessoas ainda dizem obrigada e por favor. Os velhotes ainda nos tratam por meninas e por meninos. Ainda há quem dê beijos na testa como sinal de respeito.

Faz-se comida literalmente no buraco


A praia quer-se de areia preta, a queimar o pés nos dias quentes. A rua quer-se cheia de "novelões"



Entusiasmei-me. Vinha falar da merda que é ter de pagar 300€ para sair daqui, mas acho que já me passou a revolta.

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Isabelinha

Obrigada por tirares a fome, não só a quem alimentaste como também a quem não assinava uma petição há mais de mês.

Porque é que acusas as pessoas de não saberem viver de acordo com as suas possibilidades, quando elas apenas pedem empréstimos para ir viajar?

Porque é que criticas as pessoas que se queixam de não poder ir jantar fora, mas compram iphones, e todos os últimos gritos de moda?

Porque é que não aceitas, simplesmente, que os portugueses são cagões?

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Benzádeus!

Cães enrolados em mantas a sério? Qual é o próximo passo?

- Cão com boina?
- Cão de vestido e leggins?
- Cão calçado?
- Roupa de cão à venda na Primark?
- Abrir uma Zara cão?


A labrega da minha cadela anda nua, pelo chão... mas shiuuuuu não contem a ninguém que ainda chamam a protecção de animais.

Ah bom

O Cristiano Ronaldo está na TVI a dizer que tem 200% de certeza de qualquer coisa.

O próximo passo deve ser dizer que a sua vida deu uma volta de 360º

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Mais a porra

Se a minha chamada fosse mesmo importante para eles, atendiam-me a merda do telefone e não me deixavam a ouvir música da porra.

Tenho dito.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Simples

Desagrada-me o facto de as pessoas não compreenderem que é perfeitamente normal falar com objectos inanimados: computador, telemóvel, televisão, carro e tudo e tudo e tudo.

Problemático era se eles me respondessem.

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Smells like christmas

Minha gente, eu nem sou de falar do Natal antes de Dezembro, mas a ursa voltou com o seu, que na verdade agora é nosso, Polar Post Crossing. O ano passado participei e posso dizer, com franqueza, que adorei.

A cena de abrir o correio e ter um mimo à nossa espera em vez de merdas para pagar é bem bonito. Inscrevam-se pá! Para mais informações ide à Ursa (com respeitinho, sim?)


Ai que alegria

Castigaram-me. É a única coisa que posso concluir, após me terem enviado para a esta bendita formação.
Não é seja, por si só, uma seca. Apenas faz com que me suicide mentalmente diversas vezes ao dia.

Aprendi rapidamente a falar como o meu formador: 

Eu, Gasper, estou a adorar a formação. 
Eu, Gasper, vou agora trabalhar.
Eu, Gasper, vou agora à minha vida.
Eu, Gasper, acho que não mereço esta merda.
Eu, Gasper, vou só ali deprimir mais um bocadinho.

domingo, 28 de outubro de 2012

O rescaldo da noite

Constatei que actualmente as conhecidas "cuecas da avozinha" são usadas como calções.

Afirmo que pessoalmente achei desagradável, nunca tive grande interesse em ver nádegas de cus femininos, mas olha parece que é moda.

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Proposta de Papai

Conversa ao almoço:

Pai: Olha não queres jogar no euromilhões? Fazemos uma sociedade.
Eu: Pode ser, quanto é que é para jogar?
Pai: Dá-me 4€ que depois do almoço vou lá.
Eu: Ok. Vamos ver se estes 8€ nos deixam felizes.
Pai: Só vamos jogar 6€, 4 teus e 2 meus. Se sair prémio dividimos a meio.


Portanto, concluí que tenho descendência de ciganos.

Intriga-me

O elevado número de pessoas que chegam ao meu blog à procura de "Hipopótamos cagões".

(Nem vou comentar as pesquisas de "vacas sem cornos")

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Ah e tal já não é verão

E eu descobri que o inverno passado andei, todos os dias, nua.

Ou então alguma alma, cheia de frio, roubou-me toda a roupa de inverno.

Foda-se para onde foi a minha roupa?

Não entendo

Como raio é que uma pessoa, normalmente dotada de rasgos brilhantes de inteligência, consegue ser estúpida ao ponto de todos os anos repetir a mesma asneira. E quem esta alma? Eu mesma.

Não gosto do inverno, sim eu sei que quase ninguém gosta, mas levo a coisa para a estupidez. Todos os anos, sem excepção, recuso-me a começar a usar roupa de inverno. O que se passa é simples: Começa a fazer frio e a chover, eu não quero usar botas nem casacos, nem nada destas porras que se usam no inverno. Solução? Mantenho-me a usar roupa da estação que gosto, continuo como parva a usar roupa de verão. Resultado? Para espanto geral, fico doente, o que leva à neura, posteriormente conformo-me com o facto de ser inverno e começo a vestir-me de acordo com a estação certa.

Não, não me orgulho de tal disparate.


terça-feira, 23 de outubro de 2012

Descobri

Ora descobri, com toda a certeza, que o Tony Carreira era meu fiel seguidor. O pior é que ele não gostou do meu último post e abandonou-me.

Tony, se ainda me estás a ler, digo-te "Depois de mim, mais nada"

Amuei.

Compreendo

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Porrinhas

Coisinha para me deixar mesmo ruim, ainda por cima à Segunda-Feira, é aperceber-me que não tinha razão na discussão em que participei na Sexta-Feira.

É isto e a criatura que falou comigo meia hora ao telefone, sempre em diminutivos:

Olá, está boazinha? Estou a fazer este telefonemazinho para ver se conseguimos marcar uma reuniãozinha....

E eu dou por mim a pensar no anúncio da L'oreal: Eu mereço?

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Dor, dor, que dor!

A ilustre criatura que aqui anda a estagiar não conduz. Ora a mulher não conduz, nem diz nada de jeito benzádeus.

E porque é que ela não conduz? - perguntam vocês em pulgas. Eu explico, tal como ela me explicou, apesar de em boa verdade eu não ter perguntado: Ela não conduz porque sempre lhe causou impressão 3 pedais para 2 pés.

Ora eu, que sou uma mulher por natureza apoquentada, hoje fiquei apoquentadíssima com o facto de uma pessoa que tem carta, afirmar que dois pés não são suficientes para três pedais.

Aqui entre nós, confesso-me: Achei melhor não lhe contar que existem carros só com 2 pedais. Já é suficientemente mau ela andar à solta, de carro é que não.

E há dias

Em que só me apetece dizer:

Não quero brincar mais aos grandes.

Ou a versão não censurada:

Foda-se! Como é possível existir tanto anormal ou tanta anormalidade.

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Coisas que me fascinam #6

As almas que, ao volante de um smart, conseguem andar no meio de duas faixas.
É preciso habilidade!

sábado, 13 de outubro de 2012

O jogo

A realidade é que a coisa é semelhante ao jogo das cadeira que brincava em pequena. A música toca, todos andam, mexem-se animadamente, mas sempre de olho numa cadeira. A música pára, é o pânico. Tem de arranjar uma cadeira, não pode ser a única pessoa a ficar de pé. Tudo se passa em fugazes instantes.

Ela jogou, acabou de pé. A realidade é que o jogo continua. Acaba uma ronda, mas o jogo recomeça. Existem novamente cadeiras vagas, a música anima, as pessoas dançam e há sempre menos cadeiras do que jogadores.

Ela simplesmente parou, deu por si e tinha parado de jogar. Ficou de pé. Ouve a música, assiste ao jogo, acompanha as vitórias e derrotas, e até a quedas provocadas por mais que um jogador a lutar pela mesma cadeira.

A única que coisa que mudou, a única coisa que ela mudou talvez sem dar por isso, foi parar de jogar. Parar de procurar a sua cadeira. Simplesmente decidiu ficar de pé.

Home sweet home

Chamem-me nomes, mas das melhores coisas de viajar é chegar a casa. A minha querida almofada continua com a cova certa para a minha cabeça. O meus lençóis continuam a ser melhores que os do hotel. A minha cama continua a ser a melhor do mundo.

Após a minha cura de sono, de aproximadamente 12 horas, informo que acordei cheia de dores de cabeça, babada, inchada e com cara de quem teve um AVC. Um regalo para a vista portanto.

terça-feira, 9 de outubro de 2012

A prova

Sabes que estás realmente mal da tosse quando o taxista pára o carro, entra num café, sai passado menos de um minuto e atira-te um pacote de halls seguido de um: A menina devia era ir à farmácia, mas pode ser que os halls aliviem um bocadito.

Quem disse que não haviam taxistas simpáticos em Lisboa?

Será que o homem queria era beber um copinho?
Será que estavam a oferecer halls na compra de um bagaço?
São perguntas que me atormentam.

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Cala a boca Gasper

- Gasper, ainda é solteira?
- Sim.
- Ah, não se percebe como.
- Pois (pensamento: respira fundo... não o mandes à merda).
- Não está preocupada com o facto de poder não encontrar ninguém, nunca?
- Até estava, mas depois soube que você já vai no segundo casamento e se conseguiu que 2 mulheres dissessem que sim, há certamente esperança para todos nós.

domingo, 7 de outubro de 2012

Coisas

E quando a coisa dá para complicar, dá mesmo.  (Conclusão deveras brilhante da minha parte, eu sei).
Por esta hora já deveria estar bem instalada nos meus queridos Açores, mas parece que vou passar mais uns dias em terras continentais.

Apesar de São Pedro ser um porreiro e proporcionar uns dias de verão, consegui ficar doente, avariar o carregador do portátil, deixar cair o frasco de amaciador na sanita e ainda cair nos únicos 2 degraus que existem no hotel.

Sei que ando a falhar aqui com os posts, mas não desistam de mim... eu volto, sim?

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

A labrega foi ao passeio

Ora pois que esta viagem a Lisboa tem sido uma aventura. Hoje apanhei um táxi  para um sitio manhoso, em busca de uma empresa pouca conhecida pelo público geral. Acontece que, esta empresa e aquela onde trabalho são uma espécie de BFF, pelo que é costume virmos até Lisboa tratar de uma série de coisas aborrecidas com aquela gente.

Estava eu a dar indicações ao taxista, que das duas uma: ou efectivamente não sabia puto de ideia onde era a empresa, ou queria ver se me comia mais uns trocos. O homem teimava que nunca tinha ido por aquele caminho na vida. Quando finalmente chegamos, diz o senhor:

- Ahhhhh! Afinal já estive aqui sim, só uma vez, mas não foi com ninguém como a menina (frase acompanhada com um gesto de desprezo com a mãozinha). Foi com gente importante, sabe, foi lá com uns senhores engenheiros lá dos Açores. Acho que eram da empresa X (exactamente a empresa onde trabalho).

Aqui a labrega quase que ficou ofendida.

domingo, 30 de setembro de 2012

Sim

Afinal tinha uma pontinha de saudades de Lisboa.


Ah! Como eu gosto de passear na baixa.
Só não tirei fotos aos sacos de compras, porque esta merda não vai virar fashion blog.

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

STOP

Aterrei em Lisboa stop
Confirmei que os brasileiros continuam todos em Lisboa stop
Estive sem internet stop
Comecei a falar brasileiro stop
'Arrumei' internet stop

Esperei boleia de uma amiga stop
Vi um carro parado stop
Entrei no carro stop
Não era carro de amiga stop
Condutora não achou graça a minha presença stop
Eu quase que fiquei embaraçada stop


(Gasper a espalhar magia por terras continentais)

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Triste, mas verdade

Perguntaram-me o que achava de uma estagiária que por cá anda. Respondi, com uma expressão neutra (achava eu), que não achava nada porque não a conhecia, as conversas que mantive com ela resumiram-se a "Bom dia" e "Boa Tarde".

Resposta do meu colega: Tens noção que se fosse possível ouvir os teus pensamentos já estarias internada no manicómio?

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Em jeito de dicionário


AMIGO: Diz-se da pessoa do sexo oposto que tem aquele "não sei o quê" que elimina toda intenção de quereres ir para a cama com ela/ele. 

DANÇAR: É a frustração vertical de um desejo horizontal.

FUTEBOL: É com quem toda mulher se casa sem saber.

BANQUEIRO: É o gajo que te empresta um guarda-chuva quando faz um sol radiante e pede para lhe devolveres no instante que começa a chover.

PROGRAMADOR: É a criatura que te resolve um problema que não sabias que tinhas de uma maneira que não compreendes.

COMPUTADOR: Máquina inventada para resolver problemas que não existiam antes da sua criação.

FÍSICO QUÂNTICO: É um homem cego em um quarto escuro, procurando por um gato preto que não está lá.

DIPLOMATA: É o iluminado que te diz vá a merda de um modo tal que ficas ansioso para começar a viagem.










Descaradamente roubado de um email.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Tenho a dizer...

Que esta merda hoje faz um ano.


Portanto, para comemorar 365 dias de disparates tenho a dizer que hoje as minis são por minha conta.
Digam lá no café que a Gasper depois passa lá para pagar, sim? 

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Em jeito de Resumo

Epá.... não morri. Não estou de férias, nem nada dessas coisas agradáveis. Estou mesmo é a preparar uma despedida de solteira. 

E o que é aprendi com isso? - Perguntam vocês. Da próxima vez que alguém me disser: "Queres ser minha madrinha de casamento? mimimi". Eu, em vez de ficar toda tola (e quase emocionada)  vou mas é fugir a sete pés, como o diabo da cruz. Tenho dito!

O que vale é que a noiva não lê esta merda (Se me estiveres a ler, minha querida, estou a brincar sim? Nada de virar bridezilla).

Pronto, eu também vos podia contar que, ontem fui à Worten e a mulher que estava a minha frente na fila para pagar mijou-se, literalmente, pelas pernas abaixo (Saliento que, contrariamente a certas pessoas, eu sei aplicar a palavra literalmente). Decidi não dissecar sobre o assunto de urinar em locais públicos porque Karma's a Bitch e eu tenho queda para o ridículo. Resumindo, é cagufa pá!

terça-feira, 11 de setembro de 2012

É que foi logo

Um trolha mandou-me um piropo bem bonito hoje.

Mudei logo o meu estado civil no Facebook para: "Gasper Maria está numa relação e é complicado".

Coisas que me fascinam #5


O conceito telemóvel/telefone. Adoro ver gente na rua a passear com o auscultador do telefone fixo ligado ao telemóvel. 

Faz sentido, claramente.

Para quê ter uma coisa móvel e transportável, quando podes levar o telefone fixo contigo?

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Cada um com o seu problema

Conversa ao inicio da tarde:

Ela: Olha temos que sair hoje à noite.
Eu: Temos? É obrigatório?
Ela: Sim. Hoje é o dia da minha vizinha dar uma queca e não estou para ouvir outra vez.

Será que anda com o meu vizinho?

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Quase Simpatia

Eu até compreendo a criatura que causou um acidente na rotunda por ter optado por fazer a dita pela esquerda, ao invés de percorrer toda rotunda pela direita, quando na realidade a saída que ela queria estava mesmo ali à sua esquerda.

E foi mais ou menos esta a explicação que a menina deu para a sua proeza.

Como isto aqui é uma democracia, democraticamente aviso:

Não me venham com as conversas da porrinha das mulheres a conduzir, porque aqui a mulher pode ser pela democracia, mas não é lá muito diplomaticamente correcta. Tenho dito.

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Curso de vendas?

Eu, Gasper Maria, um amor de pessoa, partilho o segredo, o grande segredo de uma venda com sucesso:


A Regra de Ouro, de facto...


Nunca, nunca, mas nunca ligar a uma pessoa num Sábado às 8 da manhã. Nunca, NUNCA, ligar insistentemente ao Sábado, repito às 8 da manhã, especialmente após as primeiras 3 chamadas serem negadas.

Aliás, rectifico. Este não é o segredo de uma venda com sucesso, este é na realidade um conhecimento básico de segurança.

Passo a narrar o drama e o horror que aconteceu (Já disse que foi no Sábado às 8 da manhã?). Gasper dormia sossegada, em paz, como meia-morta até. Telemóvel toca, número anónimo. Gasper olha para as horas: 8 da manhã. Gasper nega a chamada e vira-se para a outro lado, aconchega-se novamente.

2 minutos mais tarde, o processo de aconchego ainda não estava terminado. Telemóvel toca novamente, número anónimo, começa a sair fumo de alguns orifícios, chamada negada.

1 minutos mais tarde, ainda não recuperada, toca novamente o telemóvel, Gasper nega irritada.

1 minutos mais tarde, toca o telemóvel, Gasper já anda a cuspir bolas de fogo, a cara já está complemente roxa de raiva, o fumo sai de todos os orificios. Chamada atendida.

Eu: Sim.
Ela: Ora muito bom dia daqui fala blablabla (nem me lembro do nome da cabra).
Eu: Bom dia só se for para si. Atendi o telemóvel apenas para lhe agradecer o facto de me ter acordado às 8 da manhã.
Ela: Não! Não! São 9.

(Pronto, começo a imaginar o jornal do dia seguinte: Jovem presa por homicídio...)

Eu: Presumo que não me esteja a telefonar para me ensinar a ver as horas, mas já que estamos numa de ensinar eu chego-me à frente. Está a ligar para os Açores, logo a hora actual é menos uma do que a que vê no seu bonito relógio. Segundo, se me está a ligar para vender alguma coisa pode desligar já. Não apenas por me ter acordado, repito às 8 da manhã, mas por ter sido inteligente o suficiente para ligar 4 vezes, não vá eu ter negado 3 vezes sem querer. Portanto, não estou numa onda consumista.

E assim começou o meu Sábado...

sábado, 1 de setembro de 2012

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Gasper o que nos contas hoje?

O meu vizinho teve uma noite louca de sexo.

Ou isso ou matou um porco.

Pelos sons emitidos não consigo afirmar, com certeza, qual das 2 coisas se passou naquela casa ontem.

terça-feira, 28 de agosto de 2012

I think I love you

Sempre gostei de criaturas com sentido de humor duvidoso.

I'm back in the game

Pronto, voltei ao trabalho.

Sintomas: Sono incontrolável, rabujice, resistência a usar roupa interior em vez de biquíni.

Diagnóstico: Depressão Pós-Férias.

Preciso de uma baixa médica gente, alguém que se chegue à frente.

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Estou viva, estou viva

Vamos então às não-novidades após umas mini-férias do computador.

1) Liguei ao Facebook após uma semana de intervalo e descobri que metade dos meus amigos mudaram de estado civil. O verão é época complicada para o amor;

2) Tenho as unhas malhadas de verde. Arrependi-me seriamente de ter gasto mais de 3 euros no estupor do verniz verde que me deixou ainda mais parecida com o Shrek;

3) Tive uma visita especial na minha cama, um lagarto. Os gritos histéricos que seguiram a descoberta desta companhia na minha cama foi mera coincidência;

Ah, estou de férias.

Sim, sei que estou em falha com as fotos dos meus pés na areia. Ando uma rebelde é o que é.

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

É certo

Na semana antes de ir de férias, trabalha-se pelos dias que vamos ter de descanso.

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Oh happy day!

Estou doente. A sério, quem é que fica doente em Agosto? 
Estou rabujenta. Dou férias Sexta-Feira e estou doente.
O meu nariz está uma bola vermelha.
Estou despenteada. A minha espuma do cabelo acabou e eu não dei por isso. Estou pronta para fazer parte dos Jackson 5.



Já disse que estou rabujenta e doente?

terça-feira, 31 de julho de 2012

A culpa é das gajas pá!

Eu, sou um ser por natureza apoquentado. Tenho de dissecar os problemas, compreende-los e preferencialmente resolve-los. Aí, só aí, consigo ficar descansada.

Então andava eu praí apoquentada com a taxa actual de divórcios. Coloquei inúmeras hipóteses, como razão para o aumento dos mesmos: Prostitutas mais baratas, Prostitutas mais limpinhas, Prostituição masculina, travestis mais aprumados, e por aí fora. Mas não, a razão é bem mais simples. 

A culpa é das gajas! Antigamente, as mulheres comportavam-se como deve ser, tratavam bem dos seus homens. Ora vejamos os conselhos de revistas femininas dos anos 50, 60:

1)      Não se deve irritar o homem com ciúmes e dúvidas.
(Jornal das Moças, 1957)

2)      Se desconfiar da infidelidade do marido, a esposa deve redobrar seu carinho e provas de afecto.
(Revista Claudia, 1962)

3)      A desarrumação numa casa-de-banho desperta no marido a vontade de ir tomar banho fora de casa.
(Jornal das Moças, 1965)

4)       A mulher deve fazer o marido descansar nas horas vagas. Nada de incomodá-lo com serviços domésticos.
(Jornal das Moças, 1959)

5)       Se o seu marido fuma, não arranje zanga pelo simples fato de cair cinzas nos tapetes. Tenha cinzeiros espalhados por toda casa.
(Jornal das Moças, 1957)

6)       A mulher deve estar ciente que dificilmente um homem pode perdoar a uma mulher que não tenha resistido a experiências pré-nupciais, mostrando que era perfeita e única, exactamente como ele a idealizara.
(Revista Claudia, 1962)

7)      Mesmo que um homem consiga divertir-se com sua namorada ou noiva, na verdade ele não irá gostar de ver que ela cedeu.
(Revista Querida, 1954)
           
8)       É fundamental manter sempre a aparência impecável diante do marido. (Jornal das Moças, 1957)

9)       O lugar da mulher é no lar o trabalho fora de casa masculiniza.
(Revista Querida, 1955)

Depois não digam que eu não avisei...



segunda-feira, 30 de julho de 2012

E pronto

Eu: Olha para a semana estou de férias, vamos passear?
Afilhado com a mania que é esperto: Vamos!!
Eu: E queres ir onde?
Afilhado com a mania que é esperto: À Disney! Queres ajuda a fazer a mala?

Quem me manda perguntar? Quem?

A sério, eu com 6 anos só queria ir comer um gelado, não fazia questão que fosse na Disney.

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Tenho dito!


O drama, o horror, a tragédia

Eu pessoa agarra no telemóvel para mandar uma mensagem. Carrega no envelope e depara-se com o seguinte menu:




Confesso que não sei se mudei de país (nem para qual mudei, que nem consigo perceber que puta de língua é essa), ou se o meu telemóvel está simplesmente a mandar-me para o caralho.

quinta-feira, 26 de julho de 2012

É como pipocas

Se há coisa que acho cá uma graça é a Brojeços, mas aqueles brojeços com a mania que são finos. Aquelas gentes que usa o cabelinho 'à Foda-se', parecem todas iguais à Cinha Jardim, e depois tiram macacos do nariz, como as outras pessoas todas, com o agravante de ser em público. Eu, ao menos, tiro os meus macacos na privacidade do meu lar, mas isso sou eu que sou labrega.

Gosto especialmente quando tratam as criancinhas por você. É tão fofinho ouvir "Guilherme, você não faça isso, venha cá à mãe", "Ai Bernardo você está a provocar uma enxaqueca à mãe". Começo logo a imaginar o futuro da conta poupança, que espero que ele tenha em seu nome:  pagar as sessões de acompanhamento psicológico. (Guilherme eu estou contigo!)

Gosto de as ver nos altos dos sapatos enormes, com os quais não sabem andar. Eu até compreendo, a adrenalina do "Será que é agora que vou cair?", deve ser deveras aliciante.

Mas a minha parte preferida (fora quando elas caem, gosto sempre quando pessoas caem), o que me faz saltitar que nem gafanhoto maluco é quando estala o verniz. Quando as Cinhas se esquecem que estão em público, quando tropeçam e largam um: 'Foda-se!' bruto como as portas. Quando se sentam a uma mesa dum bom restaurante e não sabem que talher usar, quando bebem água nos copos de vinhos. E depois se alguém as corrige ou critica, lá leva o Guilherme com a porra: "Guilherme, menino, já lhe disse para não distrair a mãe, que maçada!"

Ah, adoro quando o verniz estala.

Confesso que também aprecio o facto de estarem sempre cansadas.

O nosso galo é bom cantor

Perguntei-lhe quando é que descobriu que queria ser galo. Ele não entendeu.
Queria mesmo saber se era vocação, um chamamento ou uma coisa adquirida. E ele continuou sem entender.

O que reforça a minha teoria, porque para além de todos os dias de manhã, abrir o Facebook e gritar bom dia às pessoas, não deve muito à inteligência. Parece-me deveras óbvio que quer ser galo.

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Viver sem olhar para baixo?

Vivemos a olhar para baixo, mirar o espelho e o sacana do extracto bancário.
Não temos dinheiro para a casa que queríamos, ou para o sofá que andamos a namorar. Lamentamos a ausência de loui vuitton no roupeiro. Choramos um carro melhor e a viagem com que sonhamos e teima em não chegar.

Criticamos o governo, os professores, o árbitro, o chefe, a administração. Queremos mudar tudo, quando há coisas tão simples de mudar. Queremos merdices, quando há quem queira apenas a oportunidade de viver.

A Bia ainda nem tem 4 anos e está a lutar pela sua vida. A Bia ainda não foi comprar material escolar pela primeira vez, escolher a mochila nova para levar para a sala dos grandes. Ainda não deu o seu primeiro beijo, ainda não jogou aos "mal casados", ainda não se apaixonou, ainda não sentiu que era dona do mundo, ainda não saboreou o que a vida tem reservado para ela. A Bia, que devia estar apenas a brincar com bonecas, está a lutar pela vida.

A Bia tem Leucemia, e como tantas outras crianças (e adultos), aguarda um dador compatível. E como ser dador de medula? É tão simples como dar sangue. Salvar uma vida é tão simples como dar sangue.

E eu pergunto-me: E que tal parar de lamentar e agir? E que ajudar alguém a ter uma vida tão feliz que a sua maior preocupação seja a cor do verniz que está na moda? A Bia, a Bia devia estar apenas a escolher vestidos para as Barbies, não a passar dias no IPO a fazer quimioterapia.

Porra pá, vamos ser dadores!

(Porque a Pólo é GRANDE!)

Mergulhos nas Ilhas Brumas

E foi aqui, exactamente aqui:


Que um bando de malucos deram um grande espectáculo.





 
 
 
Fotos RED BULL CLIFF DIVING IN AZORES PORTUGAL

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Notícias que me apoquentam

Cerveja IKEA chega a Portugal em Agosto (Notícia Aqui)

Portanto, o ideal para acompanhar aquelas almôndegas fantásticas.

Ainda me lembro



Do tempo em que as Segundas-Feiras eram dias que não me chateavam. 
Ah, e ainda me lembro do tempo, em que não dormia e não tinha olheiras. Bons tempos, eram mesmo bons tempos.

sexta-feira, 20 de julho de 2012

E a vontade?

Estou com uma vontade incrível de suar, a sério. É de suar e de trabalhar. Estou com uma inércia tão grande, tão grande, que só posso concluir que fui atacada por um bando de criaturas não visíveis a olho nu, e que sugam a energia às pessoas.

Ora toda esta minha falta de energia/paciência/tesão/vontade, aplica-se também, com muita pena minha, ao meu cérebro. Telefonema do chefe:

- Gasper, estás a fazer alguma coisa de...
- Não. Não estou a fazer nada.
- Eu ia perguntar se estavas a fazer alguma coisa de urgente, porque precisava de uma ajuda tua. Mas nada Gasper? Queres mesmo dizer-me que não estavas a fazer nada?
- Querer dizer, não queria, mas parece que já disse.

Alguém está a contratar desbocadas por aí? Tenho o perfil ideal.

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Ai dilemas

Ontem saí de casa para ir comprar um vestido branco nos saldos. Tinha um missão, uma tarefa simples: comprar um vestido branco, em saldo.

Voltei para casa com um biquini, que não é branco nem estava em saldos.

Estou um bocadinho desiludida comigo, confesso.

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Pergunto

Por alma de quem é uma pessoa se besunta com base no corpo? É que eu já fico agoniada com a quantidade de base que ela apresenta na cara, essencialmente porque temo que ela se ria com mais convicção e voe uma lasca (bem grossa) de base e que eu, sem culpa nenhuma, seja atingida.

Gasper porque estás com um olho negro? Olha a estagiária entrou em decomposição e eu fui um dano colateral. Como podem ver seria deveras desagradável e estou, portanto, agoniada com este facto.

Pronto, volto à minha pergunta inicial: Por alma de quem é que esta criatura se barra em base no pescoço, peito, braços e depois, para rematar, ainda veste uma camisa branca? Perguntei-lhe se estava a fazer testes para alguma marca de detergente de roupa, mas não obtive uma resposta convincente. 

terça-feira, 17 de julho de 2012

Pois bem

Pronto encontrei tomates, não sei se são os meus, mas fazem o seu propósito.
Aguardo uma mudança de vida. Não gosto de mudanças, apesar de afirmar sempre que gosto.
Sou uma mentirosa é o que é.

Ahh e tal nunca choro em filmes - digo eu muito convicta. Ahh porque não chorei no titanic, porque não choro em merdas de filmes românticos. Eu sou a maior - penso eu convicta.

O que eu não digo é que chorei feita tola a ver o Marley&Me. Ainda nego este facto, se for preciso.

Portanto, sou um mentirosa. Arroto de alto: A mudança é quase sempre positiva, a mudança faz bem. Não há pior coisa que uma vida estagnada, com falta de movimento.

Agora que me vejo obrigada a mudar, estou uma cagufas. Sou mentirosa e cagufas, é o que é.

Isso de ser bipolar, é cansativo pá.

quinta-feira, 12 de julho de 2012

S/T

Certo é que nunca fui mulher de falta de coragem. Portanto, só posso concluir que me roubaram os tomates.
Quem os encontrar favor devolver, estão a fazer-me falta.

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Damn

O quanto eu gosto que me façam convites que não são convites.
O quanto eu gosto que façam passar a ideia de tenho poder de escolha, quando na realidade não tenho.

Arghhh que eu estou com a telha.

Vou dizer que sim, mesmo sem querer, porque apesar de todas as conversas mansas eu sei que a decisão não é minha.

Arghhhh estou como ruim.

Amanhã retomaremos a emissão normal.

Telefonema Matinal

Senhor muito cordial: Bom dia, como está?

Eu (a tentar fingir-me acorda): Bom dia, bem obrigada. Como está?  Bem disposto?

Senhor muito cordial: Ora cá se vai andando menina, cá se vai andado. Estou a ligar para saber se me pode dar uma ajuda. Sabe qual é o modelo de piça que está normalizado?

 Gasper sente a sua mente a ser invadida por piadas fáceis. Gasper controla-te, controla-te!

Senhor muito enrascado: PINÇA! PINÇA!

terça-feira, 10 de julho de 2012

Eu não ia falar disso, juro que não ia


Mas depois encontro essas coisas, e pronto.

Uma canseira, uma verdadeira canseira

Sonhei toda a santa noite, que era uma detective muito espectacular. Tão espectacular que, descobri que havia um senhor taxista que tinha a chave do meu carro. Descobri igualmente que o sacana, enquanto eu dormia, roubava o meu carro para ir levar pessoas a casa. O estupor roubava o meu carro, usava a minha gasolina e ainda me riscou o carro.

Sim, eu sei que foi um sonho, mas garanto que ter espancado o senhor durante o sonho não foi suficiente. Estou pólvora hoje, pólvora!

domingo, 8 de julho de 2012

A aventura da ida à Praia

Uma mulher acorda, o tempo está uma treta. Mulher decide que não vai à praia. Mulher toma banho e sai de casa para comprar tabaco. Mulher apercebe-se que o tempo está a abrir, afinal Mulher quer ir à praia.

Venho a casa, visto o biquíni a correr, tão a correr que só a chegar à praia é que me apercebi que só tinha vestido a parte de cima do biquíni. Voltei para trás, agradecendo o facto de morar perto da praia. Venho a casa a correr vestir a parte de baixo do biquíni, tão a correr que só na praia é que me apercebi que tinha aquela merda vestida do avesso.

Praia de nudista procura-se!  


Porque hoje é Domingo


sábado, 7 de julho de 2012

oh mas que porra

Solicito, do fundo do coração, que façam o obséquio de não usar leggings com nada que não usassem com collants. É que hoje, tive uma visão do cu completamente desnecessária.

Tenho a córnea ferida, é o que é.

A evolução senhores


sexta-feira, 6 de julho de 2012

Aiii filha

Um dia vou compreender porque raio começo a sussurrar cada vez alguém fala muito baixinho comigo ao telefone. Eles não podem falar alto e eu sofro por simpatia?

Por vezes fico assim, extremamente desiludida com a minha estupidez momentânea. 

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Fora do meu tempo

Os telemóveis causam-me comichão, pronto já disse. Irrita-me o facto de as pessoas acharem que, por ter um dispositivo que me permitem estar sempre contactável, sou obrigada a estar sempre contactável. Parece que até meteram nos seus cérebros de amendoins que quando não atendo uma chamada tenho de justificar o porquê:

- Não me atendeste o telefone ontem porquê?
- Só me estás a ligar agora? Eu liguei-te há uma hora. Porque é que não atendeste?

Dou uma, de duas respostas possíveis (ambas verdadeiras):

1) Não ouvi o telemóvel (Porque está quase sempre sem som e porque não me apetece estar a olhar para ele);
2) Porque não me apeteceu. (Simples, mas estranhamente mal recebido pelas pessoas)

A parte de ser alvo de olhares reprovados quando estou a falar com alguém, o meu telemóvel toca (das poucas vezes que está com som), e eu para além de não atender o dito cujo ainda o coloco no silêncio, já não me incomoda. Não tenho a culpa dessas almas não compreenderem que, falta de educação é calares a pessoa com quem estás a falar pessoalmente, para atender um telefonema ou mandar uma mensagem (isso de mandar mensagem dá outroooo post)

E o pior, o que me faz mesmo ter pequenos ataques epilépticos, é quando chego ao telemóvel e tenho 10 chamadas não atendidas da mesma pessoa. Depois, processa-se o seguinte telefonema:

- Olá!!
- Alguém a morreu?
- Oh claro que não.
- Alguém está no hospital?
- Oh mulher não.
- Então ligaste-me 10 vezes seguidas porquê?
- Oh não me atendias o telefone e queria saber Blá Blá (que é como quem diz nada de jeito).
- Então volta-me a ligar apenas quando alguém estiver a morrer ou no hospital.

Senhores, é assim tão difícil perceber que quando uma pessoa não te atende à primeira, a não ser que estejas em pânico, não faz qualquer sentido ligar mais vezes? A pessoa não atendeu porque não está ao pé do telemóvel, não quis, não ouviu, pfffff who cares? Devolverá a chamada mal puder (ou no meu caso, algures no próximo ano).

Sei bem o jeito que dá ter um dispositivo móvel que, engana-se quem achar o contrário, eu dou bastante uso (quando quero/preciso). Gosto apenas de me lembrar que, as pessoas eram amigas antes de estarem sempre contactáveis, namoravam sem sms a cada 5 minutos, quando sentiam saudades procuravam em vez de lamentarem a ausência de resposta a uma sms que dizia que iam cagar.

Caguem calados, porra.

Este sim é um post para encher chouriços


quarta-feira, 4 de julho de 2012

Pergunto-me

Para fazer parte dos tempos modernos, tenho de tirar fotografias que se assemelham às de antigamente? Têm forçosamente de parecer tiradas com uma máquina de fraca qualidade. É isso, né?

Porque o pouco faz muito - "Estamos de Esperanças"

Porque de quando a quando fala-se a sério.
Porque há histórias que nos tocam.
Porque, às vezes, podemos mesmo ajudar e sabemos como.
Porque a Pólo Norte sabe que quanto mais pessoas souberem da Bia, mais possibilidades têm.

Aqui Vai:

" "Tens um mano na tua barriga?" - entrou de rompante pelo meu quarto. A mãe, internada no quarto ao lado, tentou demove-la. " Não incomodes a senhora! Anda cá!". Mas ela continuava a olhar para mim, de pé, à beira da minha cama de hospital. Olhos azuis, cabelo louro, 4 anos de gente.
 
"Também tens um mano na barriga?"- insistia. Pego-a ao colo para se sentar aos pés da cama, leve que nem uma pluma. "Cuidado com o meu cateter!". A mãe, pálida e com ar gasto, grávida do mesmo tempo gestacional que eu, a contar-me da leucemia da filha, dos tratamentos de quimioterapia, da gravidez que pode ser uma esperança de vida, de mais vida ainda, o verdadeiro milagre da vida, para a filha que já vive. Das possibilidades de compatibilidade do novo bebé, que entretanto ganha pouco peso no útero, fruto do sistema nervoso da mãe que, internada, não acompanha pela primeira vez, em dois anos e meio, o ciclo de quimioterapia da filha.
 
"Tens um Bobi?"- fita-me, a pequena, de olhos pregados no suporte com rodas que me eleva o soro. E a mãe sorri, gasta e cansada, velha no pico dos seus 26 anos, a aguardar um milagre que são dois, agora. O bebé só tem um rim mas não lhe importa. A doença da filha ensinou-a a racionalizar a realidade. "Vive-se só com um rim, eu quero é que ele nasça bem, mesmo que não seja compatível,. Quero- os aos dois, bem! Percebe-me, não é?" Percebo tão bem.
 
E a menina canta- me aos pés. Elevo-a no elevador da cama, fica alta no cimo do colchão elevado. "Vou tocar no sol!"- e não parece doente, enquanto escorrega pelas minhas pernas, se ri às gargalhadas e folheia um livro que me ofereceu uma leitora deste blog.
 
A mãe a insistir que me deixe sossegada, sorriso exausto. Está desempregada, " ninguém dá trabalho a uma mulher que tem que faltar uma semana por mês para acompanhar a filha na quimioterapia". E, agora, internada. O marido teve que meter baixa para a substituir- "o dinheiro da baixa não vem logo no mês em que gozamos a baixa, este mês nao sei como irá ser". A filha, tagarela, dá gargalhadas e, por um momento, o sorriso abre-se, alheio aos problemas. Acaricia a barriga, como que a regar o crescimento do bebé que aí vem.
 
Falamos dos bebés que esperamos. Chega mámen para a visita, senta a menina ao colo, faz-lhe desenhos a pedido. A mãe elogia o jeito dele para desenhar. Mostro- lhe a fotografia da parede do quarto da Ana, pintada por ele. A menina pergunta se ele lhe pode desenhar uma Kitty na parede. Sorrimos os dois, cúmplices. Hoje toleramos a Kitty. Sim, irá pintá-lá, logo que a mãe regresse a casa. A menina salta de alegria.
 
Chega o jantar, a mãe e a menina recolhem ao seu quarto, não sem antes a pequena insistir: "Tens um mano na barriga?".
Lembro- me das discussões que temos tido acerca da preservação de células estaminais. Banco Público ou empresa privada? Se colocarmos no Banco Publico e aparecer alguém que precise, a nossa filha fica sem as suas células disponíveis. No Privado as células serão sempre guardadas para ela.
E a menina ali ao lado, a precisar de um transplante de medula. Não pode haver egoísmo na humanidade. Nem umbiguismo. Se a nossa filha fosse compatível, não hesitaríamos um segundo, sabemo-lo com o olhar, as palavras não são precisas.
E, finalmente, respondo "Sim, tenho uma (m)Ana na barriga!". Porque todos os bebés deveriam ser irmãos da menina.
A minha sê-lo-á."
 
Podem acompanhar os desenvolvimentos Aqui
 
Por vezes, os pequenos gestos mudam vidas.

terça-feira, 3 de julho de 2012

A sério?!

"A Inspecção-Geral de Finanças identificou dirigentes de topo que escaparam aos cortes salariais, atribuição ilegal de prémios e problemas nos ajustes directos." Aqui

Nunca, nunca pensei que isso se passasse em Portugal.
Nunca, nunca pensei que devia haver milhares de pessoas a mamar em Portugal.

E agora acho que vai ficar tudo resolvido, vão deixar de mamar... Vai correr tudo bem.

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Milagre!

Acordei bem disposta... acordei verdadeiramente bem disposta. Não sei se foi do facto de acordar e ver sol, se foi de ter dormido bem ou de ter lavado acidentalmente o cabelo com gel de banho. Mas fica aqui registado que acordei mesmoooo bem disposta (e que lavar o cabelo com gel de banho não é grande ideia).

domingo, 1 de julho de 2012

Cala a boca Gasper

Desde que me lembro de existir, lembro-me de ser conhecida por falar de mais. Se tenho uma opinião partilho, considero-as sempre pertinentes, e falta-me um filtro entre o pensamento e a boca.

Ontem na conversa com uns amigos, falava-se no namorico de adolescência do L. com a M. A história amorosa deles durou muito pouco, e o L. estava a justificar que a relação falhou devida a tenra idade dos envolvidos. Claro que eu achei que a minha opinião sobre esse assunto era importante demais para ficar só para mim e disse:

A relação falhou porque a miúda não tem, e nunca teve, nada na cabeça. É muito bonita, tem mamas gigantes, mas é burra que dói.

Faz-se silêncio da mesa. Sinto um olhar reprovador vindo do meu lado direito seguido de:

Tens noção que estás a falar da minha prima? A MINHA PRIMA.

...

Eu sabia que eram primos, mas nem me lembrei.
Penso, poder afirmar que não terei amigos na velhice.

A parte que mais me desiludiu dessa história, o que me fez ficar mesmooooo chateada comigo, foi a minha reacção a esta situação embaraçosa. Comecei a cantar "Ups a did it again". Foda-se e toda a gente sabe que odeio a Britney.

Aii vida difícil

Gasper onde jantaste ontem? Perguntam vocês.




As fotografias foram retiradas da Internet porque aqui a Anta esqueceu-se da máquina fotográfica.

sábado, 30 de junho de 2012

O jeitinho é tanto

Pintei as unhas de cor-de-rosa. 5 min. depois apercebi-me que tinha a cara pintada de cor-de-rosa. Algo que me diz que ser manicure não é a minha vocação.

Vou só ali à praia num instantinho afogar a minhas a mágoas.