sexta-feira, 25 de maio de 2018

Há dias #2

Apercebi-me que nunca estamos preparados para cuidar dos nossos pais. Os nossos pais...

Os nossos pais, regra geral, são aquela espécie de super herói em versão mais real. Uma versão do superhomem com defeitos, ainda que com poderes mágicos, são seres que estão ali para cuidar de nós, para nos ajudar a resolver problemas, para nos amparar.

O meu superhomem, com todos os defeitos que tem, é o meu superhomem. Quando não está bem, parece que fica pequenino. Perdeu peso, tem os braços fininhos e quando ninguém está a ver tem um olhar triste. Tem uma força de leão, de superhomem, que o faz ter vontade de lutar por uma vida que ele sabe que é fugaz, ele sabe que ela está a fugir.

Quando pensa que ninguém está a ver o olhar fica vazio, triste, sem esperança. Não há esperança de uma cura, disso já sabemos, não há esperança de um milagre, há apenas esperança de conseguir viver, o máximo tempo possível, com o cancro. Nós sabemos, eu e ele, que só vale a pena lutar enquanto houver qualidade de vida, enquanto não for só uma vida de sofrimento, de dificuldades respiratórias, de inferno.

Eu ontem pedi ao universo, porque nunca sei bem a quem pedir, que quando acabasse o tempo com alguma qualidade de vida, que quando fosse para ficar em sofrimento, que o levassem rapidamente e sem sofrimento, para ele claro, porque para nós, para mim, será uma espécie de fim de mundo.

E é assim, que de repente, isso vira um blog depressivo - desculpem-me. Vou voltar, vou voltar a mim, preciso só de uns momentos.

quinta-feira, 24 de maio de 2018

As chaves

O lugar de guardar as minhas chaves é dentro da minha mala. Quando mudo de mala mudo a tralha toda que tenho lá dentro, incluindo as chaves.

Até à data nunca me esqueci das chaves. O ritual é automático, abro a porta, abro a mala e atiro as chaves lá para dentro.

Ontem abri a porta de casa com as chaves do gajo.

Hoje tive uma reunião de manhã, durante a qual recebi praí 4 chamadas do gajo. Quando finalmente atendo:

- Levaste as minhas chaves? Estou feito louco à procura das chaves, ainda por cima estão todas juntas do carro e de casa.

- Claro que não levei as tuas chaves. Tu é que deixas as chaves em todo o lado e nunca sabes delas.

- Podes, se faz favor, pelo menos abrir a tua mala e confirmar.

- Eu posso, mas já disse que...

- Então?

- Dá-me 10 min. que estou quase aí.


As coisas automáticas têm destes problemas

quarta-feira, 23 de maio de 2018

Ai eu gostava

Gostava de crescer para cima e não para os lados.

Gostava que chocolate emagrecesse.

Gostava de não ler mais frases como: "A muitos anos", "A 5 anos", etc.

Gostava de só trabalhar à tarde no inverno e de manhã no verão.

Gostava de ter um tapete voador.

Gostava de não me esquecer que a vida é fugaz.

Gostava de ser cantora sem ser só no chuveiro.

Gostava de não ter medo de aranhas.

Gostava de acordar penteada.

Gostava de conseguir dizer-lhe tudo antes de o perder.



terça-feira, 22 de maio de 2018

Tlinta e Tlês


Aii eu tinha uma lista de coisas a fazer antes dos trinta. Não sei como é que isso aconteceu, mas hoje chegaram os tlinta e tlês e ainda não acabei a lista dos tlinta. Talvez seja melhor actualizar a lista para "Coisas a fazer antes dos 40".

quinta-feira, 17 de maio de 2018

Há dias #1

Há dias que o tom precisa de ser mais sério. Há dias que tudo nos tira o sono. Há dias que de tanto cansaço, mais mental do que físico, parece que só existe sono. Há dias que parece que não temos mais nada a dar sem ser a apatia. Há dias em que parece que só temos gritos para dar. Há dias que parece que só temos lágrimas.

Quando era nova, praí com uns 13/14 anos, a professor perguntou-nos o que era mais importante na vida. Respondi a saúde, fui a única da turma. Cheguei chocada a casa e disse isso à minha mãe, a minha mãe sorriu e disse: são uns sortudos os teus colegas.

Fui sortuda, o meu pai sobreviveu ao cancro há 20 anos atrás. Diz que anda a viver com tempo emprestado há 20 anos.

Há dois meses isso mudou... Há dois meses um novo diagnostico. Há dias em que isso me consome, há dias em que lido bem com tudo, há dias em que sinto que só quero falar disso, há dias em que não quero falar, há dias em que quero falar de tudo menos disso.

Foda-se há dias...

Vou precisar de uma rubrica "Há dias".. tenham paciência

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Séries

Finalmente vi uma série, que muita gente diz que é fantástica, e achei mesmo mesmo boa.

A Casa de Papel :)




Não sei bem como, mas damos por nós a torcer pelos assaltantes.

Contudo, ainda não está no primeiro lugar do TOP + da Gasper. Em primeiro lugar está Blacklist


Blacklist conseguiu-me viciar no primeiro episódio.

terça-feira, 15 de maio de 2018

Da atualidade

Algures no tempo, nem me apercebi quando, tudo ficou mais moderno. Eu pessoalmente, que sempre apreciei os tempo modernos, os avanços tecnológicos, a inovação, estou um bocado irritada com algumas destas coisas modernas.

Hoje em dia, tudo e todos são intolerantes à Lactose. Começou por aí um movimento de: ahhh se bebo/como alguma coisa com lactose cago-me todo portanto tu também não devias beber leite. Sabes o leite de vaca faz mal? Bla bla bla... Ok pessoas, ok. Eu também cago fininho algumas vezes por vírus/bactéria ou pelo que como. Não sou intolerante à lactose, bebo leite, gosto, deixem-me em paz!

Hoje em dia, as crianças sofrem todas de hiperactividade. Já não há crianças mal criadas, energéticas, irrequietas nada disso... é tudo hiperactivo. Como já não se pode dar uma palmada nas crianças, dá-se medição para a hiperatividade, acho bem.

Os professores são considerados uns baldas, que não têm nada que fazer com mais férias que o resto dos trabalhadores blá blá blá. Os professores têm talvez uma das profissões mais importantes que conheço. Ensinam, desenvolvem, assistem, acompanham crianças/adolescentes. Dedicam o seu tempo aos filhos dos outros, vão para casa preparar actividades, fichas, testes, exames  que depois corrigem no seu tempo livre, aos fins-de-semanas, enquanto os pais passeiam com os seus filhos.

Pessoas, há dias que a atualidade irrita-me. Tenho dito!