segunda-feira, 10 de novembro de 2014

O drama da vida do meu colega

O M., o meu querido M., anda por aí a lamentar-se da sua vida difícil. Há dias.

O novo drama da vida dele: Não faz o que quer quando está de férias, nem se quer aos fins-de-semana diz ele indignado. Nunca faz o que quer.

Eu, sempre preocupada com o bem estar alheio, pergunto a razão que o leva a viver em tais condições precárias. Pergunto, quase parecendo verdadeiramente preocupada, mas então faz o que aos fins-de-semana, cuida de alguém? Imaginando uma mãe doente ou coisa assim.

E o que é que ele faz aos fins-de-semana? - Perguntam vocês em pulgas. O que é que ele faz, que o impede de fazer o que ele realmente quer. Que azar é esse que ele tem na vida que o faz lamentar dias seguidos?

Está com os filhos. Está com os filhos e não pode fazer o que quer, porque tem que fazer o que eles querem. Diz ele que eu não percebo, que não vou conseguir perceber, porque ainda não tenho filhos. Que é um inferno, que ele quer fazer o que lhe dá na real gana, não ter responsabilidade, comer à hora que quer e bem entende e não quando os filhos têm fome e se não quiser comer não come! Quer trocar os livros dos filhos por uma moto. Quer uma série de coisas extremamente importantes, mas não pode e eu,  eu nunca vou compreender o fardo que é.

Respondi-lhe que compreendia duas coisas muito bem:

1) Só porque podes procriar, não quer dizer que devas.
2) Há crises de meia-idade e penso que os sintomas começam por aí. Próximo passo? Trocar os calções de banho por umas tangas justas com padrão tigresa.

M. ficou ofendido comigo. E eu, quase que pareço genuinamente preocupada com essa situação.

6 comentários:

JS disse...

Quem casa e sente vontade de fazer vida de solteiro, não devia ter casado.
Quem tem filhos e se sente "preso" por ter de cuidar/sair com os filhos, devia ter sido capado à nascença.
Quem adota um animal e depois o abandona, por ser um estorvo nas férias, devia ser abandonado no deserto, com um cantil cheio de mijo de camelo.
Só falo destas três coisas que conheço bem, porque nunca senti mais do que as necessidades que um companheiro, um pai ou um dono deve sentir, se foi essa a sua livre e responsável escolha. :/

Gasper disse...

JS, eu não podia concordar mais contigo. As pessoas são livres de fazerem apenas o que querem, quando são solteiros, sem família, sem filhos, sem ninguém de quem cuidar. Depois, é preciso se lembrarem que também não têm ninguém que cuide deles.

E a parte dos animais é igualmente válida.

Sónia RM disse...

Eu desde que tenho a Kika fui "obrigada" a deixar de fazer algumas coisas. Se compensa? Mil vezes :)

Patrícia disse...

oh meu deus... Adoro pessoas, cada vez mais. Esse gajo decidiu ser pai porquê, mesmo?

Til disse...

Esse M ou não é normal ou está em crise,só pode!Sabes que eu acho que há imensa gente que nunca devia ter tido filhos:( Mas tem e lamento!!! Todos os dias assisto ao drama de crianças e adolescentes que tem progenitores mas não tem pais e é mesmo muito triste!!!

Angie disse...

Hummm vou ter um filho e espero nunca ter esses pensamentos...